Uma difícil decisão para Wataru - Parte #1 de 4! ~ Netoin!

sábado, 29 de setembro de 2012

Uma difícil decisão para Wataru - Parte #1 de 4!

A chamada para um novo trabalho no blog...

Esta história expressa apenas passagens fictícias da série em questão, 
vindas da mente do criador deste texto. Sister Princess, sua história original 
e personagens pertencem exclusivamente aos seus criadores.

Introdução

Sister Princess é uma série criada no ano de 1999. Ela provém de uma light novel que possuiu, ao todo, cinquenta e quatro volumes publicados. Esta obra contou ainda com uma versão em mangá e duas animações para a televisão, sendo uma datada de 2001 e a outra de 2002, onde se se faz apresentar diferenças tanto no desenvolvimento da história como da animação em si.

Além disto, Sister Princess também apareceu no universo dos videogames, no início dos anos 2000. Aterrissou em consoles como o Game Boy Advance, PlayStation One e o Sega Dreamcast. Em todos os jogos, você era o jogador que tinha por missão tentar conquistar uma das garotas. Com diferentes possibilidades e finais, nenhum destes jogos teve versão adulta. Em outras palavras, não há risco de se deparar com cenas obscenas durante a jogatina.

A história desta fanfic se dará após o encerramento da primeira versão animada de Sister Princess, quando Wataru resolve retornar para a Ilha Prometida e deixar Tóquio para trás, abandonado para sempre a ideia de pertencer a tão sonhada “elite”, tão duramente cobiçada por tanto tempo (e frustrando os anseios de seu amigo Akio).

Você adentrará a um tipo de futuro alternativo que se dará exatamente no ponto citado mais acima...

Uma difícil decisão para Wataru
por: Carlírio Neto

Capítulo #1 – O amanhecer de um novo dia: relembrando velhos costumes...

O Sol raiou uma vez mais na Ilha Prometida. Na grande casa, doze garotas e um rapaz estavam prestes à acordar, após um dia de tantas festividades como foi o anterior. Afinal de contas, Minakami Wataru finalmente resolveu ficar na ilha, em companhai de suas doze irmãs, abandonando aquele sonho antigo (de seu “eu” antigo) de pertencer à chamada “elite” dominante.

Wataru acordou após uma noite de grandes comemorações na casa. Com uma espreguiçada majestral, ele se virou para a janela e contemplou o belo amanhecer. Como é de se seu costume, foi para escrivaninha para mandar um e-mail ao seu amigo Akio:

- Para Akio: - Wataru começa a digitar o e-mail - É mais um dia bonito aqui na Ilha Prometida e... - uma breve pausa e um suspiro acalorado – Ha, há, há, há... O que estou fazendo? Não é possível... (frase clássica de Wataru sendo aqui entoada) Não preciso mandar este e-mail, pois o Akio vive aqui na Ilha Prometida com a sua irmã, Mami... Ha, há, há...

Este é o verdadeiro Wataru que, após se arrumar, começa a descer as escadas da grande casa.

Ao chegar no último degrau, Wataru encontra a pequena Aria com um pirulito à saborear. Ela, com a sua conhecida velocidade e percepção, vira-se lentamente para Wataru e diz:

- Nya!!! - forma como a Aria chama o Wataru
- Aria-chan. Bom-dia. O que está fazendo aqui sozinha, Aria-chan?
- Aria... Está com o pirulito... Esperando o Nya para brincar...
- Ha, há, há, há... Não é possível... Não tomou café?
- Café? (…) Aria... Ainda não tomou... O café...
- Então vamos juntos para o salão? Vamos tomar café junto das outras, que tal?
- Sério? Nya!!! Hi, hi, hi...

De mãos dadas com sua pequena irmã, o Wataru dirigia-se até o salão. Acompanhar o andar calmo e tranquilo da Aria não é algo muito fácil de se fazer, uma vez que ela é extremamente devagar para várias ações...

Neste meio tempo, um grito de socorro se fez ecoar pela casa. Na verdade era a Mamoru, se aproximando de Wataru e da Aria com grande velocidade. Aparentemente, o patins dela estava estava desregulado...

- Cuuiiiidddaaaddddoooo!!! - grita Mamoru, desesperadamente

Neste meio tempo, o Wataru joga a Aria para o lado e recebe o impacto certeiro de sua irmã...

- Não é possível... (novamente a sua frase clássica).
- Foi mal, Anii... - responde Mamoru, usando da forma carinhosa como chama por seu irmão
- Ai, ai, ai, ai... Mamoru-chan, apesar de toda a festa de ontem, você ainda está cheia de energia, não é?
- Claro, Anii! Só de pensar que todos nós vamos viver juntos aqui, dá para imaginar o tanto de coisas que poderemos fazer. - Wataru fica vermelho, e Mamoru continua...
- Anii, teremos que continuar com as suas aulas de natação. Você pode melhorar ainda mais! - sorri, feliz...
- Claro, Mamoru-chan. - responde Wataru, passando a mão sobre a própria nuca, em um claro gesto de quem está “sem jeito” no momento...

Enquanto a Mamoru foi acompanhar a Aria (para ver se estava tudo bem com ela), o Wataru seguiu até o salão. Ao abrir a porta só teve tempo de ser devidamente bem recepcionado por uma de suas doze irmãs...

- Onii-tama!!! Hi, hi, hi, hi... - esta é a forma com a qual a pequena Hinako-chan chama o seu irmão

- Hinako-chan... ugghhh – Wataru é fortemente abraçado pela sua pequena irmã
- Onii-tama, onii-tama, você vai tomar café agora? Hi, hi, hi, hi...
- Se você desgrudar de mim por um pouco que seja, irei sim, Hinako-chan...
Wataru foi até a mesa, achando que conseguiria se servir. Mas um vaso de flores que caiu ao seu lado quase acabou com as suas pretensões...

- Whoa!!!! - grita Wataru, ao ouvir o som do vaso e vê-lo se espatifando ao seu lado
- Onii-chama!!! Desculpa, Onii-chama!!! - esta é a Kaho-chan, chamando Wataru pela forma que mais gosta...
- Ka-Kaho-chan... Cuidado, Kaho-chan. O que aconteceu?
- Eu tropecei ali atrás... Desculpe, Onii-chama...
- Tudo bem, tudo bem, Kaho-chan... - Wataru acaricia a cabeça de sua irmã
- Onii-chama, tome seu café enquanto Kaho vai cuidar das flores lá fora. Tchau, tchau, Onni-chama...
- Não é possível... - balança a cabeça Wataru, enquanto ri timidamente

Enquanto Wataru levava à sua boca a xícara de café, a cozinheira oficial do lugar apareceu com uma bela fatia de bolo para o rapaz degustar junto do café.

-Hi! Ni-sama. - esta é a Shrayuki chamando por seu irmão
- Bom-dia, Shirayuki-chan! - Wataru sorri, resplendorosamente – O que é isso no prato?
- Ni-sama, hoje você vai provar este delicioso bolo de coco com frutas silvestres, feito pela Princesa... - Shirayuki gosta de se chamar de Princesa, mas não por arrogância – Prove, Ni-sama.

Wataru sempre pensa uns dois ou três segundos antes de comer algo feito pela Shirayuki, não por ela cozinhar mal (ao contrário, ela é uma ótima cozinheira) mas sim por um receio pessoal bem peculiar. Ao levar o bolo à boca...

- Hum... Está muito bom!
- Que bom. Fico feliz, Ni-sama. Este bolo foi feito com uma receita muito especial...
- Puxa. Obrigado, Shirayuki-chan.

Neste momento, Wataru se levanta e caminha até a porta da casa. Nisto, um calafrio enigmático percorre toda a espinha dorsal do rapaz, o que acaba fazendo com que ele emita um suspiro simplesmente tenebroso e apavorante...

- brrrrr.... - Wataru emite este som enquanto treme
- Você está bem, Ani-kun? - pergunta Chikage-chan.
- Chi... Chikage-chan! - se espanta Wataru – O que aconteceu? Por que estou tremendo?
- Ani-kun, você precisa se acalmar um pouco... Se espantar assim não é bom para você...
- Chikage-chan...

Wataru fica parado e surpreso, enquanto a Chikage-chan caminha tranquilamente para dentro de casa. Esta garota volta e meia provoca arrepios em Wataru, uma vez que ela domina as artes divinatórias e sempre está com o seu tarô, aonde quer que vá...

Já do lado de fora, Wataru se escora em um gradil que dá de frente para o mar, que divide a Ilha Prometida e o continente. Enquanto escutava o barulho do mar, o rapaz começou à pensar em todo tempo no qual está vivendo ao lado de suas irmãs...

Mas, por um instante, sua meditação foi interrompida ao sentir o solo tremendo ao seu redor (e abaixo do próprio Wataru também). E ao olhar para trás, bem devagar, ele dá de cara com a Mecha-Rinrin e sua criadora...

- Pare! Mecha-Rinrin! - grita Wataru, em franco e aberto desespero...
- Oi, Aniki!!! - Rinrin cumprimenta com alegria o seu irmão
- Rinrin-chan... O que está fazendo agora pela manhã?
- Hi, hi, hi... Estou arrumando umas peças da Mecha-Rinrin, mas parece que deu algum problema dentro dela e todo meu trabalho foi jogado fora...
- Heeee... Isso é um problema... - Wataru leva a mão ao queixo e pondera – O que vai fazer agora, Rinrin-chan?
- Não sei, Aniki. Eu preciso de mais peças e...
- Deixa eu adivinhar: você vai querer ajuda financeira, não é? - um clássico pedido da Rinrin para seu irmão
- Por isso que te adoro, Aniki! Com certeza preciso de sua ajuda financeira.
- Não é possível... Ha, há, há... - sorri Wataru

Este comportamento por parte da Rinrin é sempre esperado pelo Wataru. E não havia a menor necessidade da garota mudar seu estilo de ação agora...

Caminhando ao redor externo da casa, Wataru acabou deparando-se com a Marie, a sua irmã de frágil e preocupante saúde. Ela vive se desculpando para ele por “todo o trabalho que lhe dá”, o que vem à soar meio estranho...

- Aniue-sama, bom-dia... - a forma carinhosa da Marie cumprimentar seu irmão
- Marie-chan. Bom-dia. Você está bem?
- Sim. Estava aqui tricotando esta blusa para lhe dar... - Wataru fica vermelho e a Marie prossegue falando – Sabe, vai esfriar em breve...
- Mas Marie-chan, e você? Está tudo bem, não vai fazer nada para você?
- Tudo bem... Tenho muitas blusas em meu armário... Eu só queria que o Aniue-sama tivesse com o que se proteger do frio que virá...
- Obrigado, Marie-chan!
- Sabe, Aniue-sama... Quando fecho meus olhos, todos imaginam que estou tendo uma recaída... - Wataru fica de pé, fixado no chão, enquanto escuta a Marie com total atenção e prossegue com sua fala – Na verdade, eu vejo árvores bonitas de uma floresta distante. Imagino estar deitada confortavelmente embaixo de uma destas árvores, olhando para cima, com toda a calma e tranquilidade. É tudo tão bonito e agradável...
- Fico feliz por você, Marie-chan.
- Sim. Obrigada por me entender, Aniue-sama!

Wataru continua a andar ao redor da casa, pensando no que a Marie falou. Enquanto meditava com toda a vontade, o rapaz foi surpreendido por um grito feito à certa distância, de alguém que estava escondido atrás dos arbustos...

-Yo-ho!!!! - foi o berro
- Hã? Quem está aí? - Wataru, curioso
- Ahá! Ani-chama nunca consegue ver a Yotsuba... CHECK! - a Yotsuba sempre chama assim o Wataru
- Yotsuba-chan. O que está fazendo?
- Ho-ho! Estou acompanhando Ani-chama sem perceber. Para Yotsuba, não há segredos que você possa esconder... Ho-ho-ho...
- Só você mesma, Yotsuba-chan...
- Ani-chama, tome cuidado. Quando você menos esperar, a Yotsuba estará no seu encalço. Vou tirar muitas fotos do meu irmão para mostrar o quanto sei sobre você!
- Trabalhe duro, Yotsuba-chan!
- Até mais, Ani-chama. CHECK!

A Yotsuba sai correndo, deixando o Wataru perplexo como de costume. Mas o rapaz continua à caminhar ao redor da casa, até ouvir uns sons de arco e flecha...

Certamente deve ser a Haruka treinando a sua precisão nesta arte. Além disto ela também treina com armas, sendo muito talentosa naquilo que faz, além de ter sido educada para ser uma exímia esposa quando for mais adulta.

Neste meio tempo, Wataru se aproxima do local onde Haruka está treinando...

- Força, Haruka-chan!
- Hã? Ah, Anigimi-sama! - modo com o qual ela, Haruka, chama seu irmão
- Há, há. Como está o treino, Haruka-chan?
- Anigimi-sama, estou treinando muito para lhe proteger do perigo quando precisar. - Wataru fica vermelho e Haruka prossegue com a fala – Um dia, quando você precisar...
- Há, há... Não é possível... Eu agradeço, Haruka-chan. Mas nunca fiz nada para merecec... - Wataru é interrompido
- Não, não... Anigimi-sama é especial demais para todas nós. Inclusive... Para... Mim... ~poo (lê-se póó)

Depois disto, o Wataru deixa a Haruka treinando...

Uma coisa que certamente deve estar passando pela cabeça do rapaz é se, em algum momento, uma fraqueza não baterá nele e algo mais sério possa vir à acontecer. Claro que, para o Wataru, esta é uma realidade nada possível...

Desta forma, o rapaz continua com a sua caminhada pelo terreno da grande casa e se depara com as folhas caindo ao chão, suave e delicadamente, como se fossem dar ao prenúncio de algo que estava por acontecer...

- Não é possível... - suspira Wataru, enquanto começa à caminhar no sentido da cidade da Ilha Prometida

Mas Wataru não viu a Sakuya-chan e nem a Karen-chan. Onde elas estarão?

* continua... *

Na quarta, dia 3 de outubro...
Capítulo #2: uma conversa com a Karen-chan...

[ made in NETOIN! ]


O autor do NETOIN! é...
Carlírio Neto Carlírio Neto, um fã de animação e cultura japonesa desde os anos noventa. Dramas são a especialidade pessoal. O personagem Wataru, de Sister Princess, representa bem a personalidade deste humilde blogueiro. Veja um pouco mais sobre o autor do blog NETOIN!aqui.

  • 0Blogger
  • Disqus

Deixe o seu comentário

Postar um comentário

Dê a sua opinião sobre este texto do NETOIN!, visitante.

Critique, elogie, argumente sobre o post que acabou de ler.

Quer indicar alguma matéria? Fique à vontade. Esse espaço também é seu.

Expor as ideias é legal e algo bem-vindo, tenha certeza. Apenas peço para que mantenha o bom senso no que você escrever.

Agradecido pela sua visita e por seu comentário.

Até mais!

comments powered by Disqus
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

 
Blog sobre animação japonesa - Não copie os textos. Favor entrar em contato com o dono do blog para maiores dúvidas e detalhes. - Netoin! 2006-2017
^
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Walgreens Printable Coupons