01/03/14 - 01/04/14 ~ Netoin!

segunda-feira, 31 de março de 2014

Pupa e seus verdadeiros temores...

O logo do anime Pupa.

Mas não são exatamente os temores que se podia esperar...

O conceito por detrás de Pupa era apenas um, estando este em proporcionar uma boa experiência no que tange ao gênero horror, com a companhia do conhecido gore e de suas maiores afinidades possíveis. Quando ocorreu o adiamento do anime algo como uma "bomba" estourou na blogosfera animística, não apenas brasileira como mundial. Isto tinha uma boa razão de ser, pois o PV que havia sido liberado deixava no ar aquele sinal de que este poderia ser um dos animes à serem bem destacados muito em breve.

A obra, que acabou estreando apenas em janeiro de 2014, causou sim um certo alvoroço com o seu episódio inicial. Entretanto, de positivo em concreto houve bem pouco. Pupa tentou ousar, ao ser apresentado como um anime de curta duração episódica. Ser uma obra de poucos minutos por capítulo animado não representa nada de ruim por isto, mas dada a maneira como o anime em pauta se fez apresentar, o espanto acabou sendo muito mais prejudicial do que quaisquer outra coisa.

Em cada novo episódio que fazia prosseguir, o anime deixava no ar uma incerteza quase crível. Aparentemente, a ideia estava em "retalhar" o próprio enredo central, apresentando-o em pequenos fragmentos à cada novo capítulo da animação. Curiosamente, a ideia até poderia ter dado certo, mas o ensejo acabou sendo muito mais contraditório e nocivo ao anime em si.

Os irmãos Hasegawa. Não se deixe levar pela imagem...

O último episódio do anime acabou provando, definitivamente, que a obra não soube aproveitar-se de si mesma. É importante aqui ressaltar que um enredo bem trabalhado, difundido e devidamente enquadrado à toda e qualquer perspectiva para o espectador faz uma diferença enorme ao ponto de, em alguns casos (isto não deve ser tomado como uma regra à ser obedecida por todos), o visual da obra acabar ficando em segundo plano. Não foi o caso de Pupa em específico, que encerrou sua transmissão fazendo um flashback dos irmãos Hasegawa (Utsutsu e Yume). Aliás, retomadas do passado apareceram bastante no anime, dentro de sua escassa duração.

O mundo dos jovens Utsutsu e Yume (principalmente o da garota) era realmente horrível. Seus pais não se entendiam quando os irmãos eram crianças e, para piorar um pouco a situação, ambos eram vítimas de um abuso moral corrosivo protagonizado pela sua parte paterna (que, como se não bastasse, agredia muito a própria mulher). Em dado momento eles se separaram e, quando a mãe deles decidiu ajeitar-se com outro homem, Utsutsu e Yume foram largados à própria sorte. O rapaz, então, jurou proteger a própria irmã dali em diante. E após um fato curioso (mas voltado para uma fatalidade), a menina se transformou em um monstro que devora humanos para saciar-se e, na busca de manter sua promessa, o rapaz acabou convertendo-se no alimento contínuo de sua irmã mais nova.

Com o enredo mostrado acima era possível fazer de Pupa um anime, ao menos, reconhecido. Infelizmente, como já se fez aqui ressaltar, esta obra acabará sendo lembrada por outras vertentes, extremamente pouco saudáveis e cheia de desníveis. Desta forma, fica uma lição muito poderosa à sua vista, nobre visitante. Cabe à você definir, se desejar, qual seria o tal aprendizado.

Dados técnicos e crítica final...

Utsutsu.

A estória de Pupa provém do mangá de mesmo nome. A criação de tal universo pertence à Sayaka Mogi. A publicação rendeu um total de cinco volumes, que se fizeram presentes entre março de 2011 e dezembro de 2013. Em si, o anime recebeu seu tratamento por parte do estúdio Deen, fechando o seu ciclo com um total de doze episódios de curta duração (quatro minutos para cada, somando abertura e encerramento).

Para ser bastante cético, Pupa possui um ambiente que merece atenção. A obra tem um fundo de terror em seu enredo, com a chamada certeira para o psicológico e uma participação atenuante do sito nonsense. Entretanto, o próprio anime acabou sendo o único e direto responsável pela decepção que se formou. Em se tratando de um título que chegou a ser adiado (sua exibição era para ter ocorrido originalmente na temporada de outubro'2013), a espera acabou não sendo muito recompensatória.

Poderiam ter sido mantidos os mesmos quatro minutos por episódio, sem o menor problema, desde que o enredo fosse bem melhor trabalhado. Guardadas as devidas proporções e temáticas de atuação, outras obras curtas (como Tonari no Seki-kunYamishibai e Poyopoyo) fizeram muito bem os seus papéis, mesmo com alguns minutos à mais ou à menos (respectivamente) na duração de seus episódios. Entretanto, a obra em análise preferiu fragmentar o contexto de seu enredo de uma maneira que, ao final de tudo, pouco empolgou.

O visual do anime é exageradamente simples. Obviamente, ele foi feito para exibição via web e desta forma se fez presente (muito embora duas emissoras de televisão o tenha transmitido). Na parte acústica, tudo acabou sendo muito normal, muito embora isto não seja um ponto positivo, infelizmente. De toda a forma, o título (em sua versão anime) acabou devendo bastante, não apenas pela demora que acabou "atiçando" ainda mais toda a curiosidade por parte do fandom, mas principalmente pelo trabalho final apresentado.

Utsutsu e Yume.

Pupa
temporada janeiro'2014 - 12 episódios
- nota final: quatro pontos de dez possíveis -

Até a próxima!

O NETOIN! está com você, no Facebook e no Twitter

[ made in NETOIN! ]


Conheça o autor do NETOIN!, visitante...
Carlírio Neto
Carlírio Neto, um fã de animação e cultura japonesa desde os anos noventa. Dramas são a especialidade pessoal. O personagem Wataru, de Sister Princess, representa bem a personalidade de minha humilde pessoa.

domingo, 30 de março de 2014

O final de Golden Time...

O logo da obra...

Quando o amor supera certas barreiras...

Golden Time foi um dos animes mais peculiares que continuaram em exibição desde outubro'2013. A prerrogativa da obra, alçada entre as temáticas do romance e do drama, com pitadas de humor leve para auxiliar na transmissão de seu enredo, provou que possuía uma ótima chance de ser elevada à níveis ainda maiores do que acabou sendo mostrado. O anime, em si, não foi ruim. Entretanto, os desníveis apresentados em sua execução levaram minha pessoa a ter sérias dúvidas sobre como a obra seria encerrada.

Alguns fatores eram preponderantes para isto. Em primeiro lugar havia a premissa do Tada Banri estar recuperando a sua memória. Isto já dava sinais claros de que alguém poderia sair perdendo tudo ao final do anime. A proposta, entretanto, soava bem interessante pois poderia-se notar o que ele faria ao recordar de seu real passado. Além disto, ficaria à prova como agiriam Hayashida Nana (Linda) e a Kaga Kouko mediante a tal fato, uma vez que a primeira era o alvo antigo dos sentimentos do rapaz e a segunda era a sua  atual fonte de amor e afeto. Mas esta não era a maior fonte de ponderação sobre o encaminhamento da obra.

Isto porque, em segundo lugar, as ações tomadas pelo Banri e pela Kouko, por volta do vigésimo segundo episódio, conseguiram causar um grande repúdio interno neste humilde blogueiro. O rapaz agiu com extrema covardia, tanto em suas palavras como na demonstração de pouca consideração com quem o amava. A moça acabou sendo muito infantil, tanto por não considerar a situação como principalmente por ter agido à partir de suposições prévias (embora um certo vídeo tenha sido o estopim disto tudo). E a Linda acabou tendo participação conclusiva nisto, mesmo com um início indireto em suas ações.

O momento da realidade...

Falar de sentimentos é complicado e, geralmente, quem assiste "de fora" tem uma percepção diferente de quem está vivenciando as ações. Justamente por isso as dúvidas se tornaram cada vez mais constantes, quanto ao andamento de Golden Time. Procurar se situar no lugar da Linda era difícil, pois ela se recordava do Banri antigo (por quem nutria sentimentos) e tinha de lidar com um Banri atual bem diferente (que amava a Kouko). As ações dela em sala de aula, fazendo com que o rapaz procurasse tirar seus receios internos "na força", foi uma prova de determinação da moça. Porém, a mesma foi tardia por demais.

Levando em consideração que o penúltimo episódio havia mostrado situações bem interessantes, como a Kouko e o Banri terem se tornado "apenas amigos", algo ainda não estava concreto. Algumas lacunas necessitavam de resposta. E a prerrogativa alimentava a sensação de dúvida para o último episódio, que chegou mostrando-se disposto a preencher todo e qualquer espaço em branco. Pode-se aqui dizer, com alegria, que tal premissa foi cumprida com quase cem porcento de satisfação em tal capítulo, pois o que não faltou foram momentos da mais plena atenção no anime.

A Linda merecia uma melhor sorte. Por conhecer o Banri há muito mais tempo e presenciar as "duas vidas" que o rapaz tinha, ela possuía um bom arsenal para poder com ele ficar. O questionamento pode ser que faltou coragem à ela, tanto quanto pode ser aqui aplicado o fato de ela ter respeitado bastante o momento vivido pelo seu amigo Banri e, porque não enfatizar, os sentimentos que a Kouko teimava em esconder. Mas se a premissa daqui for a falta de sorte, a pequena e simpática Oka Chinami pode ser definida como a personagem mais injustiçada de todo o anime. Não apenas o seu amor não foi correspondido (no caso pelo jovem Yanagisawa Mitsuo), como ela também teve de passar por algumas provações que a forçaram ao extremo em suas ações, especialmente por ela ter tido um papel fundamental na recuperação do Banri.

A boa companhia.

O protagonista da série, entregue unicamente aos seus devaneios (mesmo após ter recobrado a memória do passado) não conseguia agir totalmente por si. Faltava-lhe algo. Mesmo em companhia constante da Linda, os fragmentos de sua "outra vida" estavam presentes nos mínimos detalhes, em especial por objetos que traziam à tona a lembrança de alguém muito especial para ele. E quando tal pessoa resolveu aparecer, o encontro de certo objeto acabou sendo decisivo para que uma das "metades" do Banri, enfim, sobressaísse à outra na totalidade. E na corrida para seguir ao encontro da Kouko, a passagem por um certo local acabou provando que ao menos uma lacuna ficou em aberto no episódio final de Golden Time.

Objetivamente, os minutos que se seguiram na ponte foram críveis para mostrar os reais sentimentos da Linda para/com o "outro Banri". Entretanto, a conversa entre as duas metades do rapaz mostrou que, á partir dali, um iria se sobressair ao outro. Quando em certo momento deu-se à entender que a Linda atingiria o seu objetivo, a facção mais atual do protagonista da série se sobressaiu e, na prerrogativa dos acontecimentos, a Kouko acabou conquistando o que mais desejava. O fato mais chamativo dos eventos na ponte está na reaparição daquele anel, aparentemente um ato sem explicação plausível (justamente pelo fato de tal objeto ter caído do bolso do Banri no início do episódio). Talvez fosse o caso de cada Banri ter um anel consigo, embora esta alternativa não seja totalmente segura ou potencialmente admissível.

De modo geral, o último episódio de Golden Time não apenas foi um dos melhores capítulos do anime, como também conseguiu ser conclusivo onde se esperava. Em si, a dupla Kouko e Banri acabou se fortalecendo e conquistando os sorrisos dos ávidos fãs desta obra. E acabaram se constituindo em um simpático casal. Entretanto, suportar a ideia da Oka ter terminado sozinha (afetivamente) não soou bem, com o advento da troca de olhares entre a Linda e o Mitsuo. Ainda assim o episódio foi deveras conclusivo e, de forma aberta, retirou a maior parte das dúvidas que antes eram feitas sobre o mesmo. Em resumo, Golden Time entregou um final bem satisfatório e definitivo, ao seu modo.

Dados técnicos e avaliação final...

A chegada da Kouko.

Golden Time é uma obra que provém de sua light novel, cuja publicação totalizou dez volumes (entre setembro'2010 e março'2014). O mangá deste título já teve cinco volumes trabalhados e ainda continua em andamento (desde outubro'2011). A responsável por todo o universo de Golden Time é ninguém menos do que a Takemiya Yuyuko, a dona da mente responsável pelo até hoje aclamado Toradora!.

O anime desta obra começou à ser exibido em outubro'2013, tendo se encerrado na última semana útil de março'2014, fechando com um total de vinte e quatro episódios. O estúdio responsável pela animação foi a J.C.Staff, tendo Kon Chiaki como o grande nome por detrás da direção deste título. E muito embora a apresentação visual de Golden Time tenha se mantido como uma constante ao longo de seus episódios, o mesmo não pode ser dito sobre a forma com que se desenvolveu o enredo deste anime.

Em si, a obra oscilou muito em vários de seus episódios. Do início de sua exibição até o final da sua primeira metade, Golden Time mostrou uma mudança de foco por parte da dupla Kaga Kouko e Tada Banri, com ênfase não apenas no crescente relacionamento entre os dois como também no círculo social de ambos, em especial no que tangia à presença da Linda e também aos flashs do passado por parte do espírito do Banri. Com o início da segunda metade o anime começou a "tropeçar em si mesmo", mostrando eventos que não se ligavam harmoniosamente e que conseguiam propagar muitas dúvidas sobre a sua sequência.

"As duas realidades que se chocam..."

O ponto de maior atenção, talvez, pode ser definido como após o episódio do acidente com o carro (quando do retorno da praia). Depois dele, o rumo do anime foi deveras incerto. Os capítulos #22 e #23 souberam fazer com que tal angústia aumentasse para outros níveis mas, como foi ressaltado mais acima no post, o episódio final acabou dando uma configuração final bem condizente ao anime de Golden Time. E muito embora a obra tenha seguido o script de sua light novel (em boa parte de sua duração) o final do anime foi criado à parte (talvez possa ser compreendido como um filler).

Em sua parte acústica, o anime apresentou aberturas e encerramentos bem condizentes. Isto é, com uma exceção à sequência inicial da segunda metade do título, que soube "maltratar" a voz e a música da Horie Yui (veja aqui o post sobre isto). É seguro afirmar que cada insert song ou efeito sonoro contribuiu bastante para o fator de imersão ao anime em si, e que o tema de abertura de quando a obra teve seu início, em outubro'2013, ficará marcado como sendo extremamente divertida e aplicável (a música "Golden Time", cantada pela Horie Yui).

De modo geral, e mesmo com os pontos negativos em citação (que poderiam ter prejudicado muito mais a experiência em se assistir este anime), Golden Time acabou cumprindo bem o seu papel. A inconsistência de seus episódios trouxe o medo em alguns momentos, mas o final da obra conseguiu apaziguar boa parte dos mesmos. O anime merece uma recomendação positiva justamente por este fato, muito embora o resultado final do mesmo poderia ter sido amplamente maior.

O momento derradeiro...

Golden Time 
Temporada outubro'2013 - 24 episódios
- nota final: seis pontos de dez possíveis - 
Uma recomendação positiva do NETOIN! para você!

Bônus Tracks

Recordando a aparição triunfal no primeiro episódio...

Até a próxima!

O NETOIN! está com você, no Facebook e no Twitter

[ made in NETOIN! ]


Conheça o autor do NETOIN!, visitante...
Carlírio Neto
Carlírio Neto, um fã de animação e cultura japonesa desde os anos noventa. Dramas são a especialidade pessoal. O personagem Wataru, de Sister Princess, representa bem a personalidade de minha humilde pessoa.

sexta-feira, 28 de março de 2014

Sakura Trick - Episódio #12 (Final): até qualquer dia, meninas!

O destino acertado...

Quando chega o final...

Eis que o último episódio se fez chegar. Com o mesmo algumas dúvidas e incertezas acerca de como se encerraria o anime foram prontamente respondidas. É bem verdade que, aparentemente, pode ter parecido que faltou alguma coisa. Talvez, alguém que fizesse mais frente à dupla Yuu e Haruka do que a própria Mitsuki chegou a (tentar) corresponder por tal ensejo. De toda a forma, o anime conheceu o seu ponto final.

As duas metades do episódio se equivaleram graciosamente. Dos preparativos para uma despedida amigável até a chegada de um novo ano letivo, o que se pôde perceber foi um capítulo bem conduzido e propício na totalidade ao entretenimento, dentro daquilo que se podia esperar de Sakura Trick (o que acabou sendo executado de forma muito honesta e positiva). Festas podem ser feitas pelos mais diferentes propósitos, mas quando o assunto está ligado ao encerramento de um período escolar então o sentimento ganha outro nível.

E o anime explorou bem isso neste episódio, valendo-se obviamente do relacionamento cada vez mais forte e crescente da Yuu com a Haruka. Pode soar estranho, mas a jovem de laço branco no cabelo se comportou de uma inesperada maneira neste capítulo final, sendo muito mais quieta que o normal. Chamou ainda mais a atenção o fato da pequenina com margaridas no cabelo ter tomado todas as ações deste episódio. Linhas pertencentes ao encerramento de um anime.

A imaginação que cisma em trabalhar forte.

Pode-se aqui falar que a Mitsuki ousou ser odiosa neste episódio. Não que nos anteriores ela não o tenha sido, mas neste em específico ela acabou não se limitando à isto. Muito embora seja difícil enfatizar de onde surgiu tamanha coragem, a ex-presidente do Conselho Estudantil foi além do que se esperava e ousou ir além em suas ações.

No que tange ao significado da palavra "ação", é correto aqui afirmar que a principal dupla do anime, enfim, pôde realmente se chamar de casal. Nobre visitante, por favor, não pense coisas erradas ou incabíveis para um anime como Sakura Trick, pois o que ocorreu foi justamente a troca de palavras mais esperada ao longo dos doze episódios desta obra. Entre as festividades pelo fim de um período e as cerejeiras que anunciavam um novo período, lá estavam Yuu e Haruka despontando e mostrando que os sentimentos entre elas estão mais fortes do que nunca.

Foi um episódio final digno. Dentro da proposta do anime, o décimo segundo capítulo deste anime esteve justamente alinhado àquilo que dele poderia se esperar. Nada de extraordinário ou surpreendente, na verdade. Mas houve muita honestidade no que foi mostrado. E por esta razão, Sakura Trick pode ser definido como um anime que realmente entregou tudo que estava proposto à mostrar, desde o seu início em janeiro deste ano.

Trívia em Sakura Trick #12 (Final)


Formatura - este é um momento que costuma misturar alegria e tristeza na medida. De uma parte há a felicidade plena., pois um estágio da educação para a sociedade foi vencido e o preparo para o novo nível está pronto. Na outra extremidade fica a saudade dos colegas de classe, de professores, dos momentos vividos e de muitas outras variantes disto tudo. Como a imagem acima mostra, a mãe e o pai da Mitsuki não conseguiam esconder o contentamento em ver a sua filha mais velha se formando. Com total certeza, uma cena mais do que admirável...

Momentos...


Preparativos - estava tudo organizado para a grande festa. As convidadas de honra eram justamente as estudantes que estavam para dizer adeus à escola, uma vez que estavam para se formar...


Alívio - após a Mitsuki aprovar a surpresa que lhe foi preparada, todas respiraram aliviadas. Especialmente a Sumi, que se pôs à chorar na sequência...


Irmãs #1 - para não dizer que a Yuu e a Mitsuki nunca pensaram de maneira idêntica, este foi um dos raros momentos no qual tal fato ocorreu...


Imitação - toda a festividade tem sua brincadeira à ser vivenciada. Ao menos, esta era a ideia do momento...


Irmãs #2 - decididamente, uma vez mais a Mitsuki pensou demais e agiu de forma errada novamente. Um princípio de discussão se formou entre ela e sua irmã mais nova, a Yuu...


Separação - é necessário um fato ser aqui ressaltado. Ao presenciar sua pequena irmã e a Haruka quase se beijando na boca em sua frente, a Mitsuki acabou criando coragem para dizer o que tanto desejava há muito tempo...


Conversa #1 - após a formatura da Mitsuki, ela chamou a Haruka para conversar no pátio da escola. Uma grande dose de inocência teve poder de apresentação aqui...


Imaginação - durante a conversa, a Mitsuki não encontrou as palavras certas para driblar a inocência aparente da Haruka. Obviamente, a mente da ex-presidente do Conselho Estudantil muito trabalhou...


Fato - a Mitsuki demorou para perceber certas coisas, mas acabou se mostrando como uma boa desportista, acima do que podia se esperar dela...


Irmãs #3 - desnecessário enfatizar que a Yuu não gostou nem um pouco da conversa à sós que sua irmã mais velha estava tendo com a sua querida Haruka...


Conversa #2 - a dupla Yuu e Haruka conversaram à sério na sala de aula, logo após o evento com a Mitsuki. E algo muito bonito estava para acontecer ali...


Declaração - no ápice de suas vontades, Haruka e Yuu se declararam verdadeiramente. Como alguns toques mais sensuais foram feitos pelo calor do momento, teve início uma seção de desculpas de uma para a outra...


Despedida #1 - todas olhando adiante, para o novo amanhã. Um ano letivo se encerrou e outro estava por se iniciar. Uma nova etapa para a vida de cada uma delas iria começar...


Despedida #2 - para a dupla Yuu e Haruka, o novo ano letivo não poderia ter se iniciado de outra maneira...

Objetivamente

Um dos últimos beijos do anime...

Sakura Trick foi um anime ousado dentro de sua linhagem. Sua proposta era de ser um slice-of-life modicamente comum, utilizando-se de uma ambientação escolar como cenário (da maior parte de seus eventos) e do fator amizade entre as suas personagens como maior força de seu enredo. Mas como o próprio nome faria sugerir, a obra não seria exatamente tão "comum" assim.

Não foi preciso muito tempo para o anime mostrar o que realmente queria. Um dos beijos mais longos da história dos animes se deu logo no primeiro episódio, e com um fator maior do mesmo ter sido feito por duas garotas. Desta forma, todo o enunciado do parágrafo acima permaneceu válido, com o adendo de que o relacionamento homossexual entre meninas seria o grande foco, estando o mesmo destinado à mostrar os conflitos básicos (no anime) tangentes à confiança, dúvidas, amizade e muito sentimento. Os beijos foram a marca registrada maior de Sakura Trick.

Pode-se aqui dizer que, visualmente, o anime não desapontou. Apesar de sua simplicidade artística, foi possível notar um bom capricho nos seus desenhos e traços, com a chamada para a proximidade de algumas cenas em especial. O uso de cores foi muito bem-vindo e propiciou um clima muito interessante ao se assistir esta obra. Acusticamente, o anime não representou nenhum grande marco. Muito embora o tema de abertura (e sua sequência em movimento) davam a total dimensão sobre o que seria trabalhado em Sakura Trick, a verdade é que o anime em si fez apenas um bom papel neste quesito, não ficando acima da média em tal (mas também não abaixo da mesma).

De modo geral, o anime soube agradar bastante. Sua proposta, tão ousada como se fez citar, foi trabalhada dentro das perspectivas que se podiam esperar. Infelizmente, Sakura Trick ficou distante de ser um marco ou de ser uma obra à ser lembrada por muito tempo. Entretanto, por ter entregado o prometido e ter desenvolvido à sua forma a temática confiada, o anime fez por merecer pontos positivos no seu balanço final.

Até qualquer dia, meninas...

Sakura Trick
temporada janeiro'2014 - 12 episódios

- média final: sete pontos de dez possíveis -

Uma recomendação positiva do NETOIN! para você!

E na temporada de abril'2014...

Isshuukan Friends

A chamada para o anime.

A estória que tem a ideia central da amizade como molde de trabalho ganhará os espaços do NETOIN! na temporada de abril'2014. Isshuukan Friends, que já serviu de pauta na edição #212 da seção Curtas em Geral, será o anime que ganhará o espaço deixado por Sakura Trick na próxima leve de animes.

Todo o enredo de Isshuukan Friends está envolto por um estranho fato que ocorre com a jovem Fujimiya Kaori, que não consegue manter uma amizade por mais de uma semana. E neste contexto a aparição de um rapaz chamado Hase Yuuki pode fazer com que a vida da moça mude um pouco, ou não, pois ele realmente tem uma grande vontade em se tornar amigo dela. A questão de importância está no fato da Kaori não conseguir manter as suas amizades por mais de um semana, graças a um lapso mental que a acomete com força.

A prerrogativa para o drama é bem forte neste título. Além disto, é mais do que certo imaginar que haverão momentos nos quais a chamada para o dito como belo, lições de amizade e apelos de grande sentimento deverão se fazerem presentes no anime em questão. Com certeza, a premissa é de um bom anime que será aqui analisado semanalmente.

É chegado o momento de redirecionar as atenções.

Nobre visitante, sinta-se convidado à acompanhar o anime 
Isshuukan Friends aqui no NETOIN!, pela temporada de abril'2014

Até a próxima!

O NETOIN! está com você, no Facebook e no Twitter

[ made in NETOIN! ]


Conheça o autor do NETOIN!, visitante...
Carlírio Neto
Carlírio Neto, um fã de animação e cultura japonesa desde os anos noventa. Dramas são a especialidade pessoal. O personagem Wataru, de Sister Princess, representa bem a personalidade de minha humilde pessoa.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

 
Blog sobre animação japonesa - Não copie os textos. Favor entrar em contato com o dono do blog para maiores dúvidas e detalhes. - Netoin! 2006-2017
^
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Walgreens Printable Coupons