[N! Drops] Set'2014 #51: terminou Aldnoah Zero e... ~ Netoin!

sábado, 20 de setembro de 2014

[N! Drops] Set'2014 #51: terminou Aldnoah Zero e...

Este sorriso não está vindo em um momento propício, Vossa Majestade.
Definitivamente, isto não foi um final...

Após onze episódios e com uma segunda temporada já anunciada e em produção, Aldnoah Zero exibiu o seu último episódio (da série inicial) na data deste texto, nobre visitante. Muito embora para várias pessoas o anime tenha desagradado consideravelmente nos últimos três capítulos, a verdade é que tudo estava caminhando para um final que não teria nada de antológico ou que chamasse a atenção plena sendo este, claro, o ponto de vista deste humilde blogueiro.

Contudo, não caberão opiniões evasivas neste post. O décimo segundo episódio de Aldnoah Zero surpreendeu à todos, de maneira impetuosa. Entretanto, esta prerrogativa não é unicamente positiva. Isto ocorre porque, na medida em que a obra transcorria, levava-se adiante a ideia de que o roteirista de tal anime iria querer fazer algo que causasse algum tipo de sentimento em quem assistisse ao episódio em análise. O fato ocorrido foi, de maneira bem massiva, o ódio que dominou à muitos pela internet afora, sendo este um sentimento extremamente bem explicável.

A proposta deste anime possuía uma concisão bem interessante. Em um conflito interplanetário, no qual misturavam-se sentimentos egoístas e necessidades vitais para milhões de pessoas, o ambiente da desigualdade estava mais do que formado. Aclamaram-se personagens como o Slaine, sendo este um terráqueo que acabou salvo pela Princesa de Verns em Marte. Ao mesmo tempo, criou-se um sentimento de rancor gigantesco por integrantes do elenco como o Inaho, também terráqueo mas sem a mínima disposição de demonstrar ser um humano real (por assim exclamar). Com tais exemplos de extremos, a chamada para a racionalização tornou-se mais do que presente.

O que tu fez, Slaine?
Em seu enredo, a obra buscou caracterizar-se pelo sentimento e motivação que levava seu elenco adiante, na busca pela vitória na contenda ou pela realização de seus próprios anseios. O último episódio desta temporada de Aldnoah Zero tinha uma missão, que já foi explanada parágrafos acima deste. De certa forma, tal capítulo realmente apresentou elementos bem chamativos e de grande interesse. É possível aqui fazer citação para o sangue que apareceu em larga escala, as traições que seguiram-se uma atrás da outra e a mudança de direcionamento por parte de um dos personagens. Tudo isto poderia ser elogiável, mas infelizmente não se sucedeu desta maneira.

O episódio não foi horrível, sonolento ou grotesco. Contudo, o mesmo selou para sempre a vontade de muitos em querer seguir adiante com o anime (na segunda temporada de tal), graças justamente às características que foram citadas ao final do parágrafo acima. Em uma guerra é mais do que certo imaginar a transformação mental pela qual muitas pessoas devem passar, beirando a falta de racionalidade e chegando até à loucura consumada. Mas o que se viu em Aldnoah Zero, no capítulo em análise, foi algo que ultrapassa muitas linhas nesta segmentação. E quem personificou tal ideal foi um jovem do elenco que, de modo categórico, não se imaginava que faria tudo o que fez.

Foi criada uma ponte bem perigosa para a sequência deste anime em 2015. Muito pelos fatos ocorridos neste décimo segundo episódio (mas não apenas por tal). Para a minha pessoa, a curiosidade em saber o que ocorrerá com a obra em questão aumentou um pouco, pois o que se viu foi algo que realmente chamou a atenção. Isto não significa, porém, que o anime em si seja elogiável como poderia. Se antes esta obra era cogitada para entrar no seleto grupo das melhores de 2014 do NETOIN!, agora sua presença em um top'10 do ano tornou-se bem questionável (e a chance do título não adentrar em tal listagem é grande).

O Conde parece estar presenciando os seus últimos momentos de vida...
Tecnicamente, Aldnoah Zero foi um ótimo anime. Terminações como perfeito ou excelente não são cabíveis, muito em razão do design de alguns dos seus elementos em movimentação. A parte sonora do anime merece muitos elogios, em especial pela música de encerramento (sempre impactante). A atuação dos dubladores merece um bom destaque. Desnecessário enfatizar o quanto este humilde blogueiro se sentiu à vontade, ao ouvir e ler as falas do elenco pertinente ao lado marciano da força, em especial (com a colocação de palavras bem ajustadas e o uso de vocábulos nada comuns para o tempo presente).

No que tange ao roteiro, este anime oscilou demais entre bons e maus momentos. Necessário aqui conceituar as ocorrências que acabaram resultando em verdadeiros pontos de anti-clímax no contexto da obra. Personagens que poderiam ser melhor trabalhados (nisto incluso os próprios Inaho e Slaine) tomaram parte neste processo. Além disto, faltaram alguns elementos mais concisos no que tange às forças de guerra terráqueas e marcianas, sobretudo na segunda citada (em virtude de seu avançado poderio bélico graças à tecnologia Aldnoah).

Esta obra teve um início com nota bem elevada por parte do NETOIN!. Infelizmente, a sequência de episódios acabou derrubando esta margem e, após o encerramento do décimo segundo capítulo, resta aqui enfatizar o quanto que Aldnoah Zero poderia ter sido melhor, digno de lembranças e de muitos comentários entre os fãs e na blogosfera animística mundial. O que se salva, ao menos no caso de minha pessoa, é o fato de tudo ter se tornado deveras indeciso para a segunda temporada da obra. De outra forma, se você não gostou do andar deste anime (em especial na sua sequência final de episódios) o ideal, talvez, esteja em nem tentar assistir sua continuação agendada para 2015 (temporada de janeiro), pois dificilmente este título recuperará a sua digna atenção.

Então...


"Seylum, o que é preciso para pôr fim a uma guerra? Saberia me dizer?"
"Inaho... As partes precisam querer a paz e esquecer o ódio."
"Não."


"As guerras não passam de uma negociação entre Estados.
Acabam aparecendo mesmo sem o ódio presente."


"Basta que se evidenciem objetivos que acabem levando à confrontação.
Desde necessidades de expansão até motivos de caráter cultural ou de sobrevivência."


"As guerras seguem adiante com tais ideias, sempre.
O fim delas se consolida quando os objetivos são alcançados."


"Caso contrário, o fim apenas é estabelecido quando o total de perdas
é maior do que aquilo que foi conquistado no conflito.
Sentimentos humanos não passam de motivos baixos para que
uma guerra possa ter seu início decretado."


"Estes sentimentos não me interessam e, por isso, jamais odiaria
alguém apenas por ser marciano."

A nova temporada está oficialmente marcada.
Aldnoah Zero
Temporada de julho'2014 - Total de 12 episódios

Até a próxima!

O NETOIN! está com você, no Facebook e no Twitter

[ made in NETOIN! ]


Conheça o autor do NETOIN!, visitante...
Carlírio Neto
Carlírio Neto, um fã de animação e cultura japonesa desde os anos noventa. Dramas são a especialidade pessoal. O personagem Wataru, de Sister Princess, representa bem a personalidade de minha humilde pessoa.

  • 0Blogger
  • Disqus

Deixe o seu comentário

Postar um comentário

Dê a sua opinião sobre este texto do NETOIN!, visitante.

Critique, elogie, argumente sobre o post que acabou de ler.

Quer indicar alguma matéria? Fique à vontade. Esse espaço também é seu.

Expor as ideias é legal e algo bem-vindo, tenha certeza. Apenas peço para que mantenha o bom senso no que você escrever.

Agradecido pela sua visita e por seu comentário.

Até mais!

comments powered by Disqus
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

 
Blog sobre animação japonesa - Não copie os textos. Favor entrar em contato com o dono do blog para maiores dúvidas e detalhes. - Netoin! 2006-2017
^
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Walgreens Printable Coupons