[N! 8 Anos] DRAMAtical Murder e a review de suas visual novels! ~ Netoin!

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

[N! 8 Anos] DRAMAtical Murder e a review de suas visual novels!

A chamada oficial.
Explorando outros universos...

Nobre visitante, é chegado o momento do post que encerra a série de especiais pela campanha dos oito anos de existência do NETOIN!. Muito obrigado à você que acompanhou esta jornada do início ao fim, que chega agora ao sétimo texto pontual trazendo, consigo, o sentimento do dever mais do que muito bem cumprido.

E para fechar bem toda esta caminhada, nada melhor do que um trabalho digno para tanto. Diante disto, a responsabilidade recaiu na sua totalidade para uma nobre amiga, que já presenteou esta humilde casa com ótimos textos, seguramente. Trata-se da jovem Melima, eterna apaixonada por estórias dóceis e que, agora, falará uma vez mais de uma de suas franquias favoritas, sendo esta DRAMAtical Murder.

Em anterior oportunidade a Melima já teceu suas palavras sobre o anime de tal obra. Desta vez, ela lançará todas as atenções para o universo das visual novels da franquia. Tu conhecerá mais sobre a estória de tal título, personagens, como os jogos transcorreram e o que se pode esperar de tais mídias. Seguramente, é uma boa oportunidade para que você conhecer mais sobre esta obra e seu gênero.

Com base em tudo que foi explanado, é chegado o momento de você apreciar este trabalho, nobre visitante. Tenha uma boa leitura.

DRAMAtical Murder - Destruir ou criar?
por Melima (visitante do NETOIN!)

Aoba e companhia, prontos para tudo.
Olá, caro leitor do NETOIN!. Eu sou a Melima. Pela terceira vez escrevo a minha opinião sobre uma obra que gosto, no qual a escolhida da vez é uma pela qual eu nutro um carinho muito especial. Carlírio-san reconhecendo isso, pediu para que eu fizesse uma pequena análise dos primeiros episódios do anime e recentemente solicitou que eu escrevesse uma review sobre a visual novel como uma comemoração do aniversário do blog. Por isso, agradeço mais uma vez o convite e a confiança dele. Aviso previamente que essa review contém spoilers e que adoraria ter escrito um pouco mais sobre esse mundo (risos), entretanto enfatizei um pouco mais a true route. Portanto, vamos explorar Midorijima!

DRAMAtical Murder (DMMD)

Isto é DRAMAtical Murder.
DRAMAtical Murder (DMMD) trata-se de uma Visual Novel (VN) sci-fi do gênero boys love (BL) idealizada pela Nitro+CHiRAL, uma ramificação da Nitro+ especializada por produzir jogos BL. A VN em específico a ser comentada melhor nos próximos parágrafos foi lançada em 23 de março de 2012, sendo essa quarta produção do grupo Nitro+ChiRAL. A VN detém críticas positivas e conseguiu adquirir ao longo do tempo uma base fiéis de fãs. Graças a fama adquirida, DRAMAtical Murder se tornou uma franquia de três jogos e recebeu adaptação em anime esse ano. Os demais jogos serão brevemente comentados a seguir. Em relação ao anime, a adaptação não possuía os melhores gráficos, contudo agradou muitos fãs pela fidelidade com o roteiro dentro de seus padrões, sabendo agradar um pouco o público alvo e outras pessoas que se interessam em acompanhar o anime, pois o estúdio NAZ optou por retirar a maioria dos elementos de romance presentes na visual novel.

DMMD se passa no futuro do Japão, mais especificamente na ilha ficcional de Midorijima. Nesse futuro a humanidade se tornou mais dependente de tecnologia, as drogas continuam sendo atrativos para os jovens e as famosas brigas de rua do século passado se tornaram novamente atração, recebendo o nome Ribstiez (Rib). A Rib ganhou bastante popularidade entre as pessoas, formando diversas gangues, nas quais os grupos iniciantes cometem bulliyng com aqueles que não pertencem a nenhum grupo (no-marks). Passado alguns anos, um jogo virtual atraiu a atenção dos jovens, o Rhyme. Diferente da Rib, as jogadores de Rhyme utilizam seus Allmates (inteligência artificial com personalidade semelhante ao do dono e com aparência física de um pet) para duelar com outros, quando necessário eles avançam fisicamente sobre o oponente. Portanto, os Rhymers não recebem danos físicos em seus corpos com os Ribsteez. A tecnologia avançou de forma para otimizar a vida, porque foram criados os Coils, aparelhos que funcionam como um smartphone, mini-tv e possibilita algumas transações comerciais.

Midorijima, a ilha escolhida como palco.
Midorijima pertence ao arquipélago de ilhas do Japão, porém mais da metade da ilha é de posse da corporação Toue. Toue queria proporcionar o padrão de vida perfeita para os habitantes, para isso eles construiu essa enorme cúpula que lembra uma prisão em sua aparência e no nome, a Platinum Jail, com uma enorme torre no centro chamada de Oval Tower, residência do Toue e centro administrativo. A região que negou esse absurdo se tornou o Old Resident District que se divide em quatro grandes regiões: o Southern Disctrict característico pelo entretenimento, games e lojas de roupas; o East District é o centro da cidade, por isso é o local mais seguro e com variedades de lojas e algumas casas, o Western District representa a áreas residencial; o Nothern District fica além dos limites do Old Resident District, tornando-se uma cidade fantasma desde o controle do Toue pela ilha, consequentemente o local se transformou no recinto de alguns presidiários, dentre eles a famosa gangue de criminosos chamado de Scratch.

O jogo inicia com o personagem principal, Aoba Seragaki, vivendo seu cotidiano como vendedor de uma simples loja de variedades e conserto de alguns aparelhos chamada Junker Shop Heibon. Todos os dias ele cumprimenta o seu chefe, Haga-san, e suporta as brincadeiras de três irmãos que bagunçam por completo o ambiente, fazendo o chamar a atenção deles até que as mesma fugiam de medo. Então após a confusão, ele limpa a loja com ajuda do Allmate de seu chefe. Ao final do expediente, ele passa perto do Correio, cumprimenta a responsável por lá, Yoshie. Algumas vezes no caminho de casa, ele encontra com alguns amigos e conversam por alguns minutos. Pela noite, ele retorna para seu lar, onde é recebido com uma muita energia pela sua avó. A senhora Tae Seragaki costuma gritar com o neto pela falta de atenção e cuidado do jovem por constantemente esquecer de trancar a porta da casa ao sair apressadamente. Entretanto, o caro Aoba escolheu essa vida pacta na ilha que mora, devido certas circunstâncias, pois no passado ele fez sua querida avó se preocupar excessivamente quando se tornou um rebelde sem interesse, vivendo no Southern District diariamente para aproveitar o máximo dos duelos de Rhyme e dos prazeres mundanos. Todavia, ele apenas lembra completamente de seus atos depois de descobrir que ele na verdade é detentor de duas personalidades. Para que ele reconheça essa outra existência, Aoba passa por momentos de amadurecimento, superação e reconhecimento sobre a sobre a sua existência e a personalidade.

O principal e seus possíveis finais: Virus, Clear, Noiz, Aoba, Koujaku, Mink, 
Trip e Ren (todos da esquerda para a direita).
Um dia a pacta vida do principal é alterada pela simples batalha de Rhyme em que ele é obrigado pelo seu oponente a duelar sem a presença de Usui (juiz criado pela Toue para controlar a nova sensação entre os jovens) no chamado Drive-by. Aoba nem imaginava que realizaria a proeza de ganhar uma luta impossível. Nesse momento Toue reconheceu o rapaz e precisaria da presença dele junto a Platinum Jail. Possivelmente uma outra pessoa interessa pelo principal, entretanto esse tentará impedir os planos de Toue. Enquanto isso, no mesmo dia Aoba recebe um aplicativo para instalar um rpg arcade em seu Coil, a surpresa desse mini-game é prever o futuro próximo. Nessa mesma época um antigo grupo de chamado Morphine ressurge ao mesmo tempo que diversos Ribsteez desparecem e consumo de drogas aumenta a comando de dois conhecidos do Aoba chamados Virus e Trip, eles faziam isso por ordens do Toue.

Platinum Jail representa muito bem no jogo os ricos da sociedade com muito senso comum, as festas de todos os dias e as luzes de neon que servem como drogas hipnotizadoras sobre os que frequentam o ambiente. Toue também utiliza de um recurso comum que manipula as pessoas, a tv. Através dele ele diz seu discurso de quão perfeita e plena é vida em sua sociedade idealizada, de seu amor fraternal para com o seu filho (Sei) e utiliza dos Alphas (robôs com tecnologia superior a do Clear) para cantarem Grand Music para dominar o cérebro dos telespectadores.

Em um cenário assim, Aoba que antes possuía contato apenas com algumas pessoas, seu amigo de infância chamado Koujaku e outro amigo de adolescência chamado Mizuki, conhece pessoas diferentes que alteram a direção de seu fluxo. Um Rhymer que possuía uma síndrome em que apenas na sua língua ele sentia algo, por isso constantemente se machucava e nem percebia; o amigo de infância tirador de sarro e mulherengo; um expresidiária que almeja assassinar Toue por vingança; descobre a verdade sobre dois conhecidos do passado que fingiam trabalhar para Yakuza quando na verdade apenas queriam apossar do poder do principal; um fiel Allmate que sempre o acompanhou e não revelava seu segredo; e de um inocente e carismático ser que declara Aoba como seu mestre.

Brevemente é possível perceber a relação que jogo faz entre cada rota com um dos cinco sentidos. Noiz representa o paladar, por ser a única parte do seu corpo que ele consegue sentir algo. Koujaku seria o tato pela relação de suas tatuagens e controle delas sobre o seu corpo. Mink é o olfato por nascer em uma família em que as pessoas não são afetadas por algumas ervas que utilizavam como chá, além de sempre ser referido um cheiro característico de canela quando ele aparece. Clear é um robô construído a pedido de Toue, seu padrão é cantar para dominar a mente das pessoas pelas música, entretanto o seu avô que na verdade era um trabalhador da empresa, o retira deste local e o cria para ser um humano gentil que não pode revelar seu rosto para as pessoas, por tudo isso, ele é audição, como também ele possui uma audição bastante aguçada. Ren representa a visão com seu olhar atento e apreensivo sobre Aoba, ele esteve por anos cuidando de dele como sua terceira consciência, sendo o elo de equilíbrio entre o Aoba e Sly Blue (a consciência que apenas deseja destruição), conseguindo inclusive entrar em um Allmate para voltar a ajudar Aoba quando o mesmo não prestava atenção nele.

A dupla rivalidade.
Nesse ambiente, Aoba pode se relacionar com cinco pessoas, no qual comentarei brevemente sobre cada um antes de elucidar a True Route. Quando eu começei a VN, na Common Route eu afeiçoei por dois personagens, o Allmate Ren e a personificação da fofura e alegria chamado Clear, dessa forma decidi deixar a deles por último para serem auge de apreciação. À vista disso eu escolhi o Koujaku como primeiro, ele é a clássica rota da Nitro+CHiRAL do amigo de infância do principal, um samurai mulherengo que se preocupa com Aoba desde criança e o tem como seu objetivo para continuar a viver em Midorijima, pois em seu passado ele teve morar na ilha principal para se tornar o herdeiro da máfia de seu pai. Contudo fatos horríveis acontecem nessa estadia, mesmo assim ele prefere esquecer tudo e continuar sua vida sorrindo ao lado do amigo e cercado por mulheres, enquanto ele não compreendia que na verdade buscava nessas mulheres o que lhe faltava, o seu verdadeiro amor que é apenas trabalhado em sua rota. Não é por menos que ao optar por outra rota, ele continua sendo o mesmo, o querido friendzone. Considero o Koujaku um personagem simpático e divertido, assim como todos de DMMD. Ele teve um passado sofrido, fazendo de tudo para superar e conseguir esconder a ação inescrupulosa que foi obrigado a realizar por causa de uma tatuagem sintética que controla sua mente. O desejo do tatuador Ryuuho era conseguir comandar o cérebro de alguém, transformando Koujaku em um monstro quando ele perde as forças para a tatuagem. De um forma geral ele é realmente quem conhece bem Aoba e adora brincar com ele sobre a dificuldade do jovem em acordar, deixando a química deles bem bonitinha e hilária em alguns momentos.

Noiz foi o segundo, a estória dele é interessante e apresenta o desespero dos pais perante ao filho que não sente nada e briga com outras crianças, causando o que na minha opinião representa o de pior para alguém que sofre algo semelhante. Os seus pais, ao invés de preocuparem e se esforçarem em ajudá-lo, eles se assustam e decidem prender o filho em um quarto, onde ele teria de tudo. Vivendo em isolamento e tristeza, o jovem alemão decide fugir para o Japão, no qual conhece Rhyme e se interessa demasiadamente pelo game que provoca a sensação de dor nele, pois mesmo com diversos piercings e machucados, ele nãos sabia era isso. A rota dele segue um fluxo tranquilo sobre novamente essa discussão de famílias, com o acréscimo do que seria a definição de cada sentimento humano. O mais atraente em sua rota é o crescimento dele, do garoto frio e desinteressado por causa da sua criação para o rapaz comprometido, saudável e capaz de criar vínculos.

Clear e Mink.
Minha terceira escolha foi o Mink, o possível descendente de nativos. Por pouco não comecei por ele, pois na Common Route, ele foi o ganhador como o personagem que menos gostei. Mink é o mais velho dos possíveis boyfriends (namorados), por causa disso ele é único que vivenciou toda a transformação que Toue fez na ilha, o ardiloso vilão que assassinou toda sua família. Este vilão destruiu a floresta em que todos viviam pacificamente, inclusive com o adendo de que a família do Mink produzia remédios para algumas pessoas. Toue utilizou alguns dos parentes do Mink em experimentos para descobrir como eles conseguiam ter contato com algumas substâncias sem apresentarem efeitos colaterais. Por presenciar tamanho sofrimento, Mink decide matar a sua personalidade dócil, atencioso e fraternal para personificar um homem bruto que utiliza da violência sem motivos, ele inclusive muda sua aparência física para ficar mais próximo de um personagem mal que ninguém deseja ficar próximo. Mesmo assim ele não consegue enterrar tudo, conseguindo criar a Scratch em que todos os membros o respeitam o líder com admiração. Em sua rota ele deixa explícito que suas raízes e fé estão sempre presente. Entretanto seu ódio pelo Toue é tão grande que o faz querer suicidar após matá-lo, podendo assim ele finalmente encontrar sua família. Eu tenho comigo que o Mink é o personagem que consegue se redimir no segundo jogo da franquia por toda grosseria para com Aoba e deixa o principal aos poucos ocupar um espaço em sua vida.

A quarta escolha ficou para personagem mais carismática da VN e também preferida por muitos, o fofo Clear. Ele é um jovem que está sempre usando máscara para esconder seu rosto, esse foi um pedido de seu avô antes de falecer. Além disto, o Clear possui uma personalidade muito otimista, carinhosa, inocente, risonha e até um pouco infantil, devido os ensinamentos de seu avô. Clear autoproclama Aoba como seu mestre por presenciar o principal usando sua voz para ganhar de Noiz no Drive-by, nisso ele percebe que o jovem também é detentor de um poder com a voz, semelhante a ele com canção simples e encantadora Jellyfish Song, dona de diversas lágrimas e felicidade. A rota dele tem uma evolução ao seu tempo, proporcionando um ótimo aproveitamento dela tamanho que nem me dava conta que tinha terminado. Clear com toda essa personalidade fofa é responsável pela rota mais emotiva tanto de drama quanto de alegria. Ele é um robô criado por Toue para controlar a mente das pessoas através da música, contudo antes disso acontecer, seu avô (um trabalhador da corporação) decide fugir com ele. Então Toue cria outros robôs com perfil semelhante ao de Clear. O segredo por detrás da máscara que esconde um rosto belo é exatamente isso, caso alguém o vesse reconheceria que eram os mesmo dos Alphas. O final dele assim como o do Mink são semelhantes, pois ambos mostram apenas as silhuetas dos dois que representam demais para o Aoba.

Vírus e Trip.
Virus e Trip formam um possível Bad Ending dentro da True Route. No momento que Aoba está percorrendo a Oval Tower para se encontrar com Toue, os dois o impede. Primeiramente eles explicam o motivo de se aliarem ao Toue, já que ambos eram crianças analisadas no laboratório secreto de Toue dentro da Oval Tower. Nesse momento Aoba descobre que todo esse tempo que os conhecia, eles estavam interessados no poder dele. Como ambos tinha contato com Sei, eles alteraram seus olhos e ouvidos para não serem afetados pelo poder dele. Na cena em questão eles nocauteiam o Aoba para conseguirem fugir com o rapaz, fazendo dele seu brinquedinho favorito, porque eles não almejam nada que não seja interessante.

Para eles não existe distinção entre mal e ruim, desde que consigam saciar suas vontades. Eu particularmente considero o Virus o pior, por estar sempre sorrindo e falando em tom monotônico barbaridades e falsos carinhos. Pela sua personalidade, as torturas que ele se baseia são de carater psicológico, enquanto que o do mais jovem Trip são baseadas em atos um pouco mais infantis e violentos.

Ren, o verdadeiro escolhido.
Voltando para a True Route. Estando presente neste futuro conturbado, Aoba vivencia momentos de pesar. O primeiro deles é o sequestro de sua amada avó por aquele é seu amigo, Mizuki. que é o líder do grupo Dry Juice e que se vê atordoado com a desaparição dos membro do seu grupo. Eles decidem jogar Rhyme ao invés de continuar na Rib. Mizuki que já tinha raiva do Rhyme começa a odiá-la. Ele tenta se aliar ao falecido grupo que ressurgiu das cinza, Morphine, para voltar com a sua “família” Dry Juice. Ele nem sabia que não passava de um instrumento na mão de Virus & Trip. Ambos através das ordens e interesse em realizar o oposto do pedido de Mizuki, alteraram sua mente, transformando-o em alguém sádico e louco que não consegue pedir ajuda do Aoba mesmo quando o enfrenta. Aoba apenas descobre desse rapto pelo RPG que mostra uma garotinha muito parecida com sua avó sendo levada para o norte. Nessa parte do jogo, possível perceber o afeto que Mizuki tem pelo Rib e como alguém bondoso e sorridente como ele não cometeria tais atos em uma situação diferente.

O enfoque é no desespero que uma pessoa alcança quando almeja ter volta o que estava acostumado a conviver. Mizuki com amargura decide ir atrás do outro grupo que apenas complica cada vez mais sua situação. Entretanto, Aoba tenta salvá-lo na primeira tentativa de usar o seu poder que infelizmente não consegue o efeito almejado sobre seu amigo, porém, ele consegue salvar Tae-san. Graças à tudo isso e ao conhecimento de todos os outros quatro rapazes e da conversa com sua avó após o resgaste, Aoba reconhece que a sociedade trancafiada na cúpula é extremamente perigosa para aqueles que ele vê diariamente.

Seria uma doll ou um anjo?
Com o passar do tempo, Aoba descobre o abominável plano de Toue para dominar a mente de cada cidadão do Japão. Ele optou por começar na ilha de Midorijima, para isso ele pediu que seu laboratório desenvolvesse dois bebês com poderes para alcançar seu objetivo. Esses dois são os irmãos gêmeos Sei e Aoba. O primeiro possui o poder de criar vida (o kanji de seu nome simboliza a vida) e o segundo de destruir. Como Sei acordou antes, os cientistas acreditaram que o outro estava morto e decidiram exterminá-lo, porém Aoba foi salvo pela sua avó que era uma das cientistas contrária aos ideias inescrupulosos de Toue. Acredito que talvez inconscientemente esse tenha sido um reflexo fraternal de proteção por parte do Sei para impedir que Aoba sofresse como um rato laboratório em todos os experimentos almejados. Ainda recebendo sarcasticamente recebendo presentes por cada vez que tivesse seu corpo penetrado por algo estranho e e aterrorizador. Imagine isso por 23 anos, seriam brinquedos e pelúcias para lotar todo um cômodo como exatamente é o quarto do Sei. Mesmo em uma ambiente assim, Sei não culpa Toue ou qualquer cientista como alguém mal, eles os perdoa, porque seu único desejo nunca atendido seria morrer. Para isso ele decide contactar Aoba através do rpg e por algumas breves aparições quando seu irmão consegue entrar na Platinum Jail. Quando ambos estão no quarto dele, Sei pede para Aoba destruir a sua mente, pois assim, ele estaria salvo e descansaria em paz, como também ajudaria seu irmão a destruir Toue, pois muitas partes do plano dele estavam interligadas ao poder dele. Em uma cena triste, Sei agradece Aoba por finalmente alguém ter realizado uma de suas vontades.

Com essa ênfase sobre o psicológico, este jogo produz algumas discussões sobre os pontos positivos da destruição e negativos da criação. Aoba percebe que seu poder, o Scrap, poderia ser útil para salvar a vida de seus possíveis boyfriends (namorados). Ele poderia retirar o peso da culpa e a sede vingança de Koujaku que poderia transformá-lo em um monstro; poderia mostrar que a vida é bonita e recheada de lugares e momentos marcantes de extrema alegria para o Noiz; a sobreviver é a melhor forma de se redimir e a melhor forma de agradar os seus falecidos companheiros e parentes para o Mink; aceitar a o outro como da forma ele é para o Clear; reconhecer as diferentes opiniões, refletir e ter paz de espírito consigo mesmo para Sly Blue; identificar cada parte e importância de uma pessoa para Ren.

Eu gosto desse significado poético sobre a destruição que o jogo trás, porque em alguns momentos tudo tendencia ao fato de o poder do Aoba ser apenas a trazer a morte das pessoas, porém isso só acontece quando o mesmo não consegue compreender a pessoa e seu Scrap falha. A destruição sobre um passado indigno ou traumatizante pode em alguns casos ser mais breve e menos doloroso que criar novas memórias para apagá-lo. Com certeza ambos funcionam, como dependem de cada pessoa. O poder dos dois irmãos são excelentes para trazer o crescimento e a salvação de uma humanidade. Sei explica bem isso para Aoba, o fato dele negar sua outra personalidade fez com que ele criasse mais raiva e amargura por estar sempre preso sem possibilidade de viver e explorar o mundo. Nesse caso, esconder nossas naturezas pode provocar consquências negativas. Aceitar nossos personas e tentar viver em harmônia de consciência talvez seja o melhor, mesmo que para isso seja necessário muita dor e momentos conflituantes como Aoba teve de passar. Sei explica bem que em hipótese alguma o Sly Blue ou o Ren queriam a morte de Aoba. O Sly Blue, de forma mesquinha e revoltada, clamava por atenção, provocando intensas enxaquecas que eram sanadas pelos remédios de Tae-san, nisso mais uma vez ele se via preso em sua jaula transparente.Sua avó sabia da existência do Sly Blue, como também tinha presenciado o perigo que foi ele controlado Aoba durante sua fase rebelde, por isso, ela sempre produzia remédios para combater a outra personalidade.

Aoba aceitando Sly Blue.
A VN consegue transparecer bem o aspecto de dupla personalidade, e neste quesito o trabalho de dublagem do Atsushi Kisaichi combina impecavelmente. Algumas vezes é difícil de aceitar fatos que preferimos esquecer, dependendo da gravidade dele, podemos criar uma mentira bem contada várias vezes para se tornar verdade em prol de esquecer o passado indigno. No caso de Aoba, ele não faz isso por querer, pelo medo que Tae-san tem dele se tornar um assassino é maior, impedindo Aoba de saber que possuía uma outra consciência. Além de que ele esqueceu toda parta da adolescência que Sly Blue controlou sua mente pelo “favor” de Virus & Trip. O desprezo e o afeto, a raiva e alegria, solidão e amigos; comparando seu mundo com o de Aoba, Sly Blue deseja tê-lo, por conta disso Aoba percebe e com ajuda de Sei, ele conversa com sua segunda consciência. Aoba reconhece que por anos Sly Blue também estava sofrendo, caso ele tivesse aceitado-o antes poderia ter evitado alguns problemas, como também mostra a Sly Blue que a destruição dele pode ser muito mais do que a morte, ódio e discriminação. Sly Blue tocado pelas palavras de Aoba, o agradece suspirando e em tom de choro. Sei observa tudo isso com alegria, pois desde o início, o mesmo tinha aceitado sua segunda consciência e sabia o bem que isso faria na vida de seu querido irmão. Ren também observa tudo com respeito, pois ele era terceira consciência de Aoba que servia para controlar os impulsos de Sly Blue e aconselhar Aoba.

Ren, que tinha sido salvo por Aoba um pouco antes, percebe que ele também está no mesmo impasse que Sei. Quando eles saíssem do plano mental, ele não conseguiria voltar para o corpo do Allmate mesmo com as infinitas tentativas e crença do Aoba. Ren só o acompanharia até aqueles últimos momentos fatídicos. Ele chegou em tais consequências por conta de virus que lhe foi implatado, provocando sentimentos que antes ele nunca sentiu. Também começo a olhar Aoba com outros olhos, confuso se o mesmo o conhecia ou não, por não conseguir identifcar o que era Ren e o que era o virus. Além de que ele não vi Ren como quem ele era, sim como o Allmate que ele apenas usava como interface. Eu vejo a opção de não escolher o Ren como rota, inclusive ele sendo a True, como alguém triste. Enquanto jogava, sempre pensava como seria a vida de cada um depois do final que acabava de finalizar, no caso do Ren eu conclui que ele seria aquele que está sempre com Aoba e o vê amando outras pessoas. Isso me lembra o final de várias obras em que a pessoa prefere esconder que gosta de alguém para não interferir na felicidade dele. Ren é um pouco assim, em muitos momentos ele opta por não falar, ou em caso graves Aoba não o escutava, o que fez tentar controlar o Allmate dele.

Outro aspecto que aprecio muito é contraste de cores que os idealizadores focaram em mostrar entre as roupas e aparências de Aoba e Sei, o primeiro mais forte e alto sorridente e usando cores bonitas de tranquilas e calmas, enquanto que o segundo usa tons opostos de aparência franzina constantemente sem expressão ou triste.

Toue manipulando os moradores da Platinum Jail.
Aoba só conseguiria enfrentar realmente Toue quando conseguisse ultrapassar cada uma dessas barreiras, primeiramente ele deveria salvar o Ren, por conseguinte salvar o Sei. Assim ficariam apenas os dois em diálogos sobre o que seria verdadeiramente o poder, felicidade, vida e liberdade. Viver em muralhas de proteção sem perspectiva de que algo novo poderá acontecer no dia seguinte não é uma visão tão desagradável, pois o próprio Toue encontrou seguidores para ele poder brincar e analisar a psique humana. Quão frágil e controlável são os seres vivos, isso não é um defeito, porque alguns nasceram para serem controlados pela sua natureza não agressiva e forte. Pensamentos assim não são abordados pela primeira vez em uma sci-fi, entretanto a forma que o Toue os aborda torna uma explicação que mesmo que horrenda pode ser possível de observar em casos pequenos como ele mesmo cita para o Aoba ao explicar que seus atos não são tão crueis, melhor que a pessoa viva uma fantasia ilusória mais “saudável” que continuar se drogando.

Cada um vive sua vida da forma que quiser, um lema bem reforçado por todos que algumas vezes são repetidos como forma de salvação ou mentira para sentir melhor na sociedade. Toue é um personagem tão único em algumas escolhas que ele me assustou quando deixou Aoba ir ver o Sei após perder no Rhyme. Lembro que quando jogava eu não conseguia acreditar naquilo, inúmeras teorias sobre como ele capturaria o Aoba junto de Sei produzi em minha mente, mas não, ele não realizou nenhuma sequer. Inclusive sua última atitude tanto na rota de Ren quanto do Mink são um pouco inesperadas. O poderoso e respeitável Toue tinha um orgulho e honrava suas promessas de uma forma que eu não esperava, isso é perceptível tanto no Good Ending de Ren, quanto no Bad Ending do Koujaku e do Clear.

Uma imagem singela.
Após esses acontecimentos, Aoba é salvo pelos seus amigos durante a destruição da Oval Tower, pois graças a eles que Aoba conseguiu chegar até Toue. Quando ele acorda do desmaio com ajuda de Koujaku e Clear, um enorme sentimento de tristeza o consome, calmamente ele abraça seu Allmate e se debulha em lágrimas por perder seu irmão e Ren. Todo esse tempo ele vivendo feliz sem perceber que não valorizava todo o presente que seu pai e mãe tinham lhe dado, mesmo com a ausência deles, inclusive seu pai recomenda Aoba a confiar mais nele mesmo quando o mesmo era uma criança, falando que ele podia muito bem conversar com outras pessoas sobre o que sofria e não apenas naquele lugar (sua mente). Por um ano, Aoba continua pensativo sobre tudo isso, seu atos perante a sua família, mesmo ele sendo alguém educado e calmo.

Melancólico, o jovem Aoba vivia seus dias que não mudaram muitos desde antes de Toue tentar seu plano. Entretanto uma ligação supresa de uma voz conhecida que não se lembrava de quem o liga avisando que o seu irmão Sei está internado no hospital, além de uma mensagem do mesmo rpg arcade aparece em seu Coil. Aoba assusta e acredita que aquilo é um trote, mas quem faria tal trote citando até o nome dele? Surpreso, ele conversa com seu chefe e decide ir ao hospital. Chegando no local, ele pergunta a enfermeira se tem alguém Sei Seragaki internado, ela afirma positivamente e o conduz para o quarto dele. Tanto Aoba quanto eu nos emocionavam em ver quem estava na cama. Não era Sei e ao mesmo tempo era. Uma pessoa de cabelos azuis e magra descansava sobre a cama em um sono tranquilo, só que ela acorda com Aoba o observando e tenta chamar sem voz pelo rapaz. Em lágrimas e sem voz também, ele recebe seu querido Ren. O anjo Sei além de ajudar excessivamente o irmão, ele dá o melhor presente que Aoba poderia receber na situação que encontrava, ele possibilita que a consciência de Ren seja passada para seu corpo para que assim os dois vivam felizes. Um final bonito e que me agradou demais, pois inclusive Virus & Trip tomaram uma boa ideia. Como sua uma fã do Aoba e do Ren, acho lindo e emocionante pelo que os dois passam pela True Route.

Às vezes reflito sobre o final inesperado e que surpreendeu alguns. Tanto escolher o Ren quanto o Clear são opções reflexivas. Ren talvez represente que ninguém nos conhece melhor do que nós mesmo, apesar de que ele é uma consciência do Aoba e ao mesmo tempo não é igual a ele, por isso ele o completa em tão harmonia. Penso que os produtores queriam enfocar bastante no quesito aceitação da sua natureza. Enquanto que o Clear é um robô que é mais humano que muitos personagens da visual novel. Ele age com naturalidade que muitas pessoas desejam esconder, ele mostra suas fraquezas, sorri e odeia violência; possivelmente por ele ser um robô que Clear consegue ser alguém tão vivído, pois em alguns momentos a sociedade é uma das que veta algumas atitudes que queremos realizar.

Aoba e Ren: juntos novamente.
Um fato interessante sobre o personagem principal é sua personalidade, pois ele possui um perfil diferente da maioria dos main characters (personagens principais) de visual novels BL. O Aoba dispõe de uma personalidade forte, bem humorada, carismática e atenciosa. Em diversos momentos ele prefere lutar pelo seus ideais, como também tentar ajudar os seus amigos e impedir que aconteça discussões inúteis.

O outro atrativo se relaciona com o fato do jogo apresentar bastante cor e vivacidade em seus elementos, mostrando uma visão diferente de um possível futuro claro idealizado por Toue. Enquanto que Toue almeja que a paisagem do mundo perfeito sejam em tons de azul e cinza, de preferência sempre de noite.Escolha inteligente por um lado, pois durante a noite que muitas pessoas se divertem em festas, bares e pubs, ou inclusive descansam admirando uma bela paisagem; além de que a escuridão pode esconder grandes detalhes em mínimas sombras, recurso utilizado pelos Alphas para atacarem as pessoas com suas canções.

DMMD também reforça um pouco ideia que muitas vezes lemos em livros ou escutamos dos mais velhos, não confie na pessoa apenas pela sua aparência e sorriso caloroso, essas mesmas podem ser aqueles que provocaram as maiores torturas e te enganaram mais facilmente.

Com uma estória bem trabalhada e com algus momentos rápidos que na minha opinião pareciam um pouco forçado apenas para conduzir para uma cena "H", DMMD é um jogo que eu adorei ler. Recomendo com certeza para aqueles que procuram uma boa VN com uma estória coesa. Caso você não goste de yaoi qualquer preocupação é desnecessária, pois terá como pular a cena caso deseje. Particularmente, eu considero a as rotas mais bem trabalhadas, as que inclusive são as minhas preferidas, as rotas do Clear e o do Ren (True End), porque nelas eu senti melhor o vínculo formado entre Aoba e o seu companheiro de uma forma gradual e tranquila. Em todas é possível perceber o romance e o enredo se desenvolvendo de forma boa, apesar de que nas rotas do Ren e do Mink são as com maior enfoque no mundo branco do Toue. Como também cada rota tem um ritmo semelhante a personalidade do parceiro que escolheu.

DMAMAtical Murder Re: Connect, o segundo jogo da série...

DRAMAtical Murder Re: Connect.
DRAMAtical Murder Re: Connect é o segundo jogo da franquia servindo muito bem como um atraente fanservice, pois o jogo mostra como sucederam os fatos após cada Good e Bad Ending das cinco rotas, com o adendo de apresentar um pouco sobre o passado de algumas personagens, e seus pensamentos após o momento que repercutem nos atos um pouco “absurdos” no Bad End, devido o Scrap do Aoba falhar. Proporcionando uma melhor interação entre os casais e explicação bem construídas e condizentes para cada personagem. Além do foco nos casais, o jogo proporciona um gostinho para aquelas que se interessam em conhecer um pouco mais da dupla Virus & Trip, a visita de Aoba ao seu amigo Mizuki que estava hospitalizado e uma cena focada no vínculo familiar dos Seragaki, quando os mesmo ainda poderiam viver em harmonia, felizes e em união. Bem caraterístico de um jogo fanservice, porque também foram adicionadas cenas de romance nos dois finais possíveis em cada rota, um mini-game da memória com a versão chibi graciosa de cada personagem, áudios da Nitro+CHiRAL Night e dos anúncios das duas VNs e brincadeiras com o elenco do jogo.

O jogo é uma divertida e boa continuação. Em algumas partes pode ficar suscetível a se perder no tempo e outros ser agoniante dependendo do sentimento que nutre por uma personagem em específico. Presenciar o crescimento do relacionamento e analisar de perto como uma pessoa antes descompromissada pode se tornar alguém responsável e preocupado com a saúde, ou no caso de alguém que tenta se redimir por todos os problemas que causou ao principal são aspectos simples e bastante representativos, porque DMMD tem esse enfoque de pequenos atos que passam brevemente pela tela serem de extrema importância para a trama.

Por sinal, um destes momentos singelos representa as minhas cenas favoritas do Re: Connect, tais como o medo de Clear quebra outra regra que seu avô havia lhe dito, a de não se olhar no espelho, todavia naquele momento após ele ter descoberto sua real identidade isso seria necessário? Com um diálogo calmo e belo, Aoba e Clear observam seus reflexos, reflexos sem segredos e sem mentiras do ser deles em uma cena linda. Outro momento tem no palco Aoba e Ren discutindo sobre a possibilidade de se entregarem por completo no amor sem violar o corpo de Sei. Ambos tentam refletir se tal ato não seria um incesto e quão “nojento” isso poderia se tornar. Mas eles chegam a conclusão que na verdade aquele corpo não pertencia mais ao Sei e sim ao Ren, então não precisariam se preocupar com isso, ainda mais que o segundo maior objetivo de Sei era que seu irmão fosse feliz com quem ele realmente ama e sempre esteve ao lado dele. Como Sei não pode defender e crescer junto com Aoba, ele viu em Ren a pessoa perfeita para ser a companhia de seu querido irmão, em Ren ele poderia confiar plenamente que Aoba estaria bem.

Aoba visitando Mizuki no hospital.
Cenas de reflexão e bonitas como as citadas acima são um gosto prazeroso para quem apreciou o primeiro jogo, contudo o petisco de duas cenas que eu queria muito ver e nunca esperaram foram mostradas com graça. As visitas que Aoba cita fazer para Mizuki. Eu gosto muito do Mizuki, uma vez tentei entender porquê ele não tinha uma ao invês de uma certa personagem quando estava reflexiva (risos). Surtos a parte, em Re: os produtores criaram essa gostosa cena de se ver e rir com o plus da melhor OST específica de Re: ser dela. Mizuki e Aoba são amigos de uma forma muita engraçada por causa da personalidade que cada um dispõem. A outra cena que queria ver desde a primeira aparição do Aoba era exatamente ele pequeno com toda sua família reunida em um momento de afeto e carinho dos Seragakis. Esta cena complementou o motivo de Aoba ser uma personagem realmente adorável e não sortuda por ter cada pessoa em sua vida.

Independentemente da rota escolhida, o Aoba continuará a trilhar seu caminho com esmero e carisma, não esquecendo de seus melhores amigos, conseguindo conversar com aqueles que lhe é possível. Mesmo com os pais ausentes, Aoba recebia todo carinho desses quando estavam presentes e nos de mais momentos ele teve sua avó como seu maior elo e objetivo para prosseguir com uma vida plena.

Eu recomendo muito para quem gostou de DMMD que leia Re:, pois serve bem como complemento para o primeiro jogo e mostra cenas que sempre tive vontade de ver, como por exemplo a relação do Clear com o seu avô, o passado do Noiz e a infância do Aoba com os seus pais.

DRAMAtical Murder Re: Code

A capa do jogo.
DRAMAtical Murder Re:Code é o recente lançamento da franquia, realizado em 30 de outubro de 2014. É é uma versão exclusiva para PS Vita que aparenta abordar a mesma estória presente em DMMD, com o adendo de algumas cenas extras para cada rota e uma maior abordagem sobre Sly Blue e sua interação com algumas personagens. Algumas imagens apresentam uma maior aparição de Mizuki quando ele estava na Morphine. Eu particularmente estou ansiosa para poder ler.

Mesmo gostando do Mizuki aprecio o fato de ele ser amigo do Aoba, pois desta forma o jogo apresenta o fato de que nem todos os homens da obra almejam o Aoba como parceiro (namorado no caso), mas sim como um amigo digno.

Considerações finais...

Congratulações!
A minha interpretação do nome da VN seria “DRAMAtical” do drama presente em cada personagem, porque cada um carrega consigo um grande tristeza ou trauma pelo seu passado, podendo esse ainda afetar na condição e visão da pessoa sobre o mundo. “Murder” seria tanto as mortes de espírito das pessoas que servem ou foram experimentos do Toue (Virus & Trip), como o assassinato do passado que causa temor nas pessoas pelo Scrap de Aoba. As cores vibrantes e bonitas representam uma visão de como o futuro pode ser, o colorido pode servir para chamar atenção e mostrar como diferentes são dos mais pobres e/ou servir de acordo com o significado das cores, pois uma roupa pode expressar o seu sentimento em relação a situação e para com a pessoa que encontrará. O estilo é algo próprio que, em conjunto com o caminhar, pode dizer algo das atitudes de alguém sem ela cogitar pensar em algo assim.

Por isso que cada personagem tem uma cor em específico. Aoba é o azul que significa tranquilidade, serenidade e harmonia para consigo e para os demais, podendo inclusive ser o infinito que Toue almejava para completar seu plano. Sei é o branco e preto, um mix de pureza e paz com respeito, morte, isolamento e solidão. O verde do Noiz seria a liberdade, vitalidade (por ser jovem) e saúde, inclusive o dinheiro por sua família ser rica. Koujaku é o vermelho significando a energia, excitação, perigo e sua falta de paciência em alguns momentos. Mink é o rosa pela sua ternura e bondade quando se desfaz de seus conceitos de resguardar e parar de impedir de aproximação de alguém para com ele. Clear é o amarelo por ser uma luz, descontração com sua alegria e sorriso, além de ser o detentor de uma enorme otimismo. O azul escuro é a cor representativa do Ren mostrando a profundidade, maturidade, o raciocínio lógico em momentos de descontrole, paciência e romantismo. Cinza é a cor do Virus & Trip por eles serem autossuficientes, apáticos e a demonstração do que querem parecer para a sociedade e realmente não são. Mizuki é a cor branca pela calma, humildade e claridade sobre os membros de seu grupo de Rib (Dry Juice) que acreditam que seu líder é muito mais do que isso, assim como Mizuki deixa bem explícito, eles são uma família.

As visual novels possuem em sua maioria músicas do GOATBED, pois eles foram os responsáveis por toda a trilha sonora de fundo e de alguns temas. Outras músicas são da conhecida e querida Nitro+ chamada Itou Kanako, do Vertueux e Seiji Kimura. Cada um desses ficaram responsáveis pelos temas de finais de cada rota, no DMMD pelos Bad Endings e no Re: todos ganharam canções de seus específicos responsáveis para os Good Endings. O que gosto muito dessas canções que eles repetiram o mesmo no anime, são as letras extremamente condicentes com os pensamentos e desejos de cada personagem nos momentos em que se encontram, esse é um plus ótimos para o final de cada rota. GOATBED fez a trilha sonora boa e combina bem com as situações, algumas delas por conta do momento se tornam impactantes e prazerosas para se escutar depois, talvez pelo feels (sentimento) ou apreço mesmo. Por serem um conjunto de música eletrônica, isso serviu de plus para uma jogo que se passa no futuro que de acordo com os produtores esse gênero de música reina com esmero. Eu não conhecia a dupla antes de DMMD, contudo digo que eles conseguiram realizar um trabalho bem convincente. Tornando outro ponto positivo da obra.


Boas festas para todos!
Agradeço demasiadamente ao Carlírio por mais um admirável convite feito à mim, 
para redigir minhas opiniões em seu blog. Como também agradeço a cada leitor que 
disponibilizou um pouco do seu tempo para ler meu post. Muito obrigada à todos!

Por fim, parabéns ao blog de tão grande importância e elemento de 
inspiração para muitas pessoas da blogosfera brasileira. Um parabéns 
especial ao idealizador, que com muito empenho e gosto continua a trazer 
bons textos e análises das obras que lhe chamam a atenção ao seu público.
Parabéns, Carlírio-san! Parabéns, Netotin! Parabéns, NETOIN!.

Estas palavras tão honrosas, vindas diretamente da nobre Melima, são 
recebidas e acolhidas com grande alegria pela minha pessoa.
Como não poderia deixar de ser o NETOIN! agradece demasiadamente
por tão representativa participação. Excelente.

Assim encerram-se os guests posts especiais, visando a campanha
pelo oitavo aniversário do NETOIN!. Nobre visitante, em breve um 
texto especial pela data se fará presente neste espaço. Aguarde.

Até a próxima!

O NETOIN! está com você, no Facebook e no Twitter

[ made in #netoin8anos ]

Conheça a convidada do NETOIN!, Melima...
Melima
"I think... I write a chapter."

Esta é a jovem Melima, sonhadora e amante de um bom drama e muito mais...              

  • 0Blogger
  • Disqus

Deixe o seu comentário

Postar um comentário

Dê a sua opinião sobre este texto do NETOIN!, visitante.

Critique, elogie, argumente sobre o post que acabou de ler.

Quer indicar alguma matéria? Fique à vontade. Esse espaço também é seu.

Expor as ideias é legal e algo bem-vindo, tenha certeza. Apenas peço para que mantenha o bom senso no que você escrever.

Agradecido pela sua visita e por seu comentário.

Até mais!

comments powered by Disqus
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

 
Blog sobre animação japonesa - Não copie os textos. Favor entrar em contato com o dono do blog para maiores dúvidas e detalhes. - Netoin! 2006-2017
^
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Walgreens Printable Coupons